Maneiras de Rentabilizar Minhas Ilustrações

Ao ver uma ilustração, ou um livro, um produto... as pessoas nem sempre sabem o trabalho que tem por trás de cada ilustração. Para ser ilustrador, como já mencionei antes, não basta somente desenhar. Eu até já falei sobre isso num vídeo, que chamei de ‘Ilustrador Empreendedor’. Eu diria que o trabalho do ilustrador tem muitas facetas e, como geralmente trabalhamos por conta própria, podemos escolher o que desejamos fazer com nossa arte.


Trabalhando há mais de 15 anos como ilustradora, descobri algumas maneiras de rentabilizar a minha arte. Algumas tomam mais tempo, outras menos. Eu não consigo dar a mesma atenção a todas, mas vou dar 5 exemplos do que mais faço para rentabilizar minhas ilustrações:


1. Como ilustradora, o meu foco principal são os livros infantis. Embora receba pedidos de orçamentos para outros nichos, eu avalio sempre se devo aceitar, pois quando digo sim a algo, estou dizendo não a muitas outras coisas. Isso porque o nosso tempo é limitado, e caso eu aceite algo só pela renda, posso ter que recusar algo muito mais interessante uma semana depois, e às vezes até por um valor melhor.


Além de receber pelas ilustrações, você também pode vender seus exemplares. Hoje em dia, há vários marketplaces onde você coloca seu livro à venda e paga uma comissão quando são vendidos. Eu confesso que não tenho feito isso, por absoluta falta de tempo. Mas colegas de profissão o fazem e tem sido uma fonte de renda alternativa para eles.


2. Workshops – frequentemente sou convidada para workshops, tanto em eventos quanto em escolas. Alguns são gratuitos e outros a pagamento. Quando a instituição que me contata não pode arcar com o custo de meu workshop , eu costumo combinar que comprem livros para a biblioteca. Como eu sempre recebo livros cortesia da editora, não é raro ter alguns em estoque. Além disso, a escola é beneficiada com livros novos.


Com a pandemia, isso diminuiu bastante, mas ainda assim recebi pedidos. Alguns queriam que eu fizesse gratuitamente. O problema disso é que acabo ocupando o meu tempo e deixando de ilustrar, que é o meu ganha-pão. Mas mesmo assim, fiz dois workshops online há algumas semanas nesse esquema de comprarem meus livros, o que fizeram com muita alegria, pois é uma maneira de aumentarem o acervo literário e fazer com que os alunos tenham acesso à história e às ilustrações, enriquecendo a própria cultura deles.


Há pessoa que acreditam que o ilustrador já tem satisfação pelo seu trabalho – de fato, é verdade! Sou muito feliz e agradecida pela minha profissão – e que deveria fazer não só os workshops, mas também as próprias ilustrações de graça.


Infelizmente, não existe ainda ninguém que aceite ‘satisfação’ como pagamento. As empresas de energia elétrica, água e internet só recebem em reais, e nós, ilustradores, também precisamos deles para pagar nossas contas. Ninguém vai à padaria, pede pães e paga com elogios.


Outro fato que devo ressaltar é que não chegamos à profissão de ilustrador sem esforço. Foram anos de estudo (eu, por exemplo, fiz 4 anos de graduação na Accademia di Belle Arti di Venezia), cursos de aperfeiçoamento em ilustração (Itália), curso de escrita criativa para textos curtos (Suécia), além de muito estudo por mim mesma, sempre me atualizando.


3. Ilustrações para produtos – tanto produzidos por você como por terceiros: eu vendo canecas, camisetas, quebra cabeças, etc... e já estou pensando em criar jogo da memória, caderninhos...


Aprendi não só a fazer o livro de cabo a rabo, mas também fui me desenvolvendo na área de produtos. Nem tudo posso fazer sozinha, mas busquei parceiros que me auxiliam nas partes que não tenho tempo, os recursos necessários ou até mesmo o conhecimento para fazer. Terceirizar algumas áreas lhe dá condições de priorizar o que você faz de melhor.


4. Licenciamento de suas ilustrações, como ensino no Curso “Ilu$tre – Como vender suas ilustrações na internet”.


5. Uma outra coisa que faço de vez em quando são ilustrações personalizadas para aniversários e time lapses para serem apresentados durante a festa. Essa semana recebi um orçamento para fazer um personagem personalizado, mas como estou com outros projetos, não pude aceitar.


Além desses, sempre aparece alguma outra coisa. No momento, estou com alguns projetos de livros, mas gostaria de poder trabalhar mais com produtos, pois é um prazer grande ver alguém com algum objeto com uma ilustração sua.


É uma grande satisfação receber royalties referentes a ilustrações que produzi e licenciei há anos. Às vezes os valores são altos, às vezes nem tanto, mas aí é que entra aquela ‘satisfação’ que mencionei acima: além dos royalties, a satisfação em saber que alguém em outro país escolheu a sua ilustração no meio de milhões de outras, e que pagou por isso. Isso sim que é satisfação, pois mostra que o que você cria tem valor. :-)


Não faça o seu trabalho gratuitamente, pois nem sempre as pessoas valorizam.


Para finalizar: se não custa nada, não vale nada. Pense nisso. Um ótimo final de semana!

34 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Materiais Básicos para Iniciar

Frequentemente recebo perguntas a respeito da técnica que eu uso para ilustrar, que é o acrílico sobre papel. Uma das perguntas que mais recebo é: quais os materiais que preciso para começar? Eu uso t